Política X Ciência: Perigo ou Salvação?

NOTA 1,0

Há tempos, observa-se que muitos médicos, cientistas e pessoas especializadas na área da ciência, buscam formas para curar o câncer, com isso surgiu a famosa pílula fosfoetanolamina.

Essa pílula surgiu como forma de revolucionar a ciência e propor uma melhor qualidade de vida com para quem tem a doença. É fundamental observamos observarmos que ainda não é comprovada a sua cura. Muitas pessoas com diferentes tipos de cânceres já o aderiram já aderiram a ela e tiveram bons resultados, não tiveram a cura, mas, tiveram uma boa melhora.

Além disso seu uso foi devidamente liberado, pois a presidente Dilma Rousseff liberou a lei para a liberação do mesmo. Muitos dos que tem têm a doença ficam com uma expectativa melhor por saber que pode haver uma cura ou uma melhora no caso. Por outro lado, alguns cientistas não concordam com sua liberação, pelo fato de ainda não saber de sua eficiência e se causa algum risco.

Sendo assim assim, é sempre bom fazer testes antes de qualquer uso e que tantos tanto cientistas quanto médicos busquem melhorar seu produto e continuarem continuem buscando formas para curar o câncer e assim dar esperanças aos adquiridos com a doença.

Comentário geral

Texto insuficiente. É muito ruim em termos de linguagem, que não se insere na chamada norma culta da língua portuguesa; fraco enquanto dissertação e reflexão sobre o tema, porque superficial quanto ao conteúdo. Há erros graves de gramática que não podem ser desconsiderados.

Aspectos pontuais

1) Primeiro parágrafo: O autor opta por deixar tudo indeterminado: há tempos (quanto tempo?) observa-se (quem observa?). Depois, faz uma enumeração confusa: qual a diferença entre cientistas e pessoas especializadas na área da ciência? Além disso, especialistas em ciência normalmente são especialistas em uma determinada área da ciência, não na área da ciência em geral. A fosfoetanolamina é uma substância não uma pílula. Portanto, no mínimo, deve-se dizer pílula de fosfoetanolamina.

2) Segundo parágrafo: a) pílula não surgiu, foi desenvolvida, quem a desenvolveu tinha em mira um objetivo específico, a cura de alguns tipos de câncer, e não revolucionar a ciência, que, com a descoberta, pode ou não ter sido revolucionada. b) Ao fazer afirmações genéricas, introduzidas pelo verbo observar, o autor deixa claro que nada sabe ao certo sobre o assunto. Provavelmente, nem se deu ao trabalho de ler as informações sobre o tema que estão na coletânea que acompanha a proposta de redação.

3) Terceiro parágrafo: a) dizer que a presidente liberou uma lei que libera o remédio deixando-o devidamente liberado é o cúmulo da redundância e do desconhecimento dos recursos linguísticos para evitar repetições. Sobre o uso de o mesmo leia aqui. Leis são sancionadas, não liberadas. E a fosfoetanolamina foi devidamente liberada? Era justamente isso que se deveria discutir. b) Fazer afirmações sobre as expectativas dos doentes é algo temerário. Teriam todos as mesmas expectativas? E ter uma expectativa melhor por causa da melhora também é mais um reiterado descaso com a linguagem, típico da norma coloquial e não da culta.

4) Quarto parágrafo: o final é desastroso. Não só é óbvio que é preciso testar medicamentos antes de colocá-los à venda, mas é também uma exigência legal, que, no caso da fosfoetanolamina, foi contornada pelos poderes Legislativo e Executivo, o que acabou por resultar numa intervenção do poder Judiciário. Cientistas e médicos busquem melhorar seu produto? Como assim? Qual é o produto do médico? E, para arrematar, não se diz o adquirido com a doença, mas o doente ou a pessoa que adquiriu a doença.

Competências avaliadas

Itens Nota
Demonstrar domínio da norma culta da língua escrita. 0,5
Compreender a proposta da redação e aplicar conceito das várias áreas de conhecimento para desenvolver o tema, dentro dos limites estruturais do texto dissertativo-argumentativo. 0,5
Selecionar, relacionar, organizar e interpretar informações, fatos, opiniões e argumentos em defesa de um ponto de vista. 0,0
Demonstrar conhecimento dos mecanismos linguísticos necessários para a construção da argumentação. 0,0
Elaborar a proposta de solução para o problema abordado, mostrando respeito aos valores humanos e considerando a diversidade sociocultural. 0,0
Nota final 1,0
Saiba como é feito a classificação das notas
2,0 - Satisfatório 1,5 - Bom 1,0 - Regular 0,5 - Fraco 0,0 - Insatisfatório

Os textos publicados antes de 1º de janeiro de 2009 não seguem o novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa. A grafia vigente até então e a da reforma ortográfica serão aceitas até 2012

Copyright UOL. Todos os direitos reservados. É permitida a reprodução apenas em trabalhos escolares, sem fins comerciais e desde que com o devido crédito ao UOL e aos autores.

UOL Cursos Online

Todos os cursos