Topo

Banco de Redações

O UOL corrige e comenta 20 redações. Envie a sua sobre o tema da vez


REDAÇÕES CORRIGIDAS - Fevereiro/2019 Posse de armas: mais segurança ou mais perigo?

Redação corrigida 320

Posse de armas: o dilema da segurança pessoal no Brasil

Erro Alteração Correção

A posse de uma arma de fogo significa segurança pessoal para quem dela faz uso? Em 2005, quando houve o referendo do desarmamento no Brasil, a maioria dos brasileiros votaram votou a favor da posse de arma de fogo armas de fogo; argumentando ser útil e necessária para a segurança pessoal.

Nos Estados Unidos, país com o maior arsenal de armas do mundo e que é modelo para o presidente Jair Bolsonaro na posse e porte de armas armas, não é sinônimo de segurança social ou individual. Dados de 2017 apontam que os EUA são o segundo país com o maior número de mortes por arma de fogo do mundo – atrás apenas do Brasil. Este a A posse e o porte de arma não estão assegurados pela constituição como aquele que é assegurado constitucionalmente desde o século 18.

Dados também afirma que mostram que, nos Estados Unidos Unidos, só em 2016, a maioria das mortes com armas de fogo (59%) consistiu em suicídio. Ou seja, esta essa é a arma preferida dos suicidas. No Brasil, os homicídios representaram 94,8% das mortes por arma de fogo em 2014. Com isso, pode-se confirmar o jargão: “aquilo me protege é minha maior ameaça”. Pois Pois, ao mesmo tempo em que se defende a própria vida a arma pode ser usada em agressão a própria existência. Em 2018 mais de 220 policiais foram baleados no Rio de Janeiro, destes desses mais de 90 não resistiram; apenas 03 foram vítimas de disparos acidentais, 111 estavam no trabalho, todos portavam armas e foram treinados para isso.

Feita uma comparação de dados entre a guerra na Síria e mortes com arma de fogo no Brasil, do período entre 2011 a 2015 2015, constatou-se que a guerra da Síria perdeu. Assim, com a flexibilização da posse de arma de fogo no Brasil Brasil, pode-se repetir o ditado: “bala trocada não dói”, por outro lado, existe a possibilidade da multiplicação de mortes, uma vez que se recusa o outro ditado: “quando um não quer dois não brigam”. Considerando que a que, na maioria dos latrocínios (roubo seguidos de morte) morte), o meliante disparou devido a à reação da vítima.

A constatação que se infere da opinião pública em 2005 sobre o estatuto do desarmamento e que ainda persiste numa expressiva parte dos brasileiros consiste no descrédito das instituições de segurança pública, ou seja, dos governantes. Estes preferem que a população assegure o próprio destino. Que a posse de arma é um meio eficiente da segurança pessoal, isso o futuro dirá ao povo brasileiro. A história e os fatos mostram o contrário.

Comentário geral

O texto se revela insuficiente, pois deixa a desejar como estrutura dissertativa, por faltar-lhe coesão. Além disso, apresenta uma argumentação confusa e com pontos contraditórios, bem como problemas linguísticos e gramaticais.

Competências

• 1) A linguagem se revela insuficiente, devido principalmente aos trechos assinalados em vermelho, que ou são ambíguos ou confusos ou trazem outros problemas mais graves, como a agramaticalidade. Veja-se a palavra sublinhada último parágrafo: o fato de o autor grafar incorretamente o verbo ser, sem acentuá-lo, deixa a possibilidade de aquele “e” prejudica toda a sintaxe do primeiro período.

• 2) Há uma compreensão do tema, mas não há uma dissertação argumentativa, pois não há uma linha de raciocínio, apenas uma exposição de dados justapostos, dos quais o autor extrai uma conclusão não sobre o tema, mas sobre o que explica o resultado do referendo de 2005.

• 3) Quanto à argumentação, vale ressaltar que o autor aponta “dados”, mas não diz quais são as fontes desses dados. Além disso, há argumentos equivocados e absurdos, muito mal expressos. Por exemplo, no referendo, a população votava sim ou não, sem apresentar argumentos para justificar seu voto. Os ditados populares usados como argumento também não fazem muito sentido. Chega a ser uma maneira leviana de encarar o problema. Há também contradições: se os Estados Unidos, onde o porte de armas é permitido, têm menos mortes que o Brasil, onde o porte de armas não é permitido, a conclusão é que o porte de armas diminui as mortes e não as aumenta.

• 4) Não há coesão no texto, que aparece como uma série de parágrafos justapostos sobre o tema, que até chegam a mostrar a opinião do autor, mas não porque ele a exponha claramente, de acordo com uma linha de raciocínio: é o leitor que tem de depreendê-la.

• 5) A conclusão visa mais explicar o referendo de 2005 do que tratar do tema. Permitir a posse de armas não significa que os cidadãos necessariamente não confiam na polícia. Além disso, mais uma vez, o autor soa contraditório: pelo ponto de vista dele, o que mostra que a posse de armas não é positiva é a história e os fatos, e não o futuro, como ele afirma pouco acima. A propósito, não foram apresentados fatos de caráter propriamente histórico.

Competências avaliadas

As notas são definidas segundo os critérios da pontuação do MEC
Título nota (0 a 1000)
Demonstrar domínio da norma culta da língua escrita. 80
Compreender a proposta da redação e aplicar conceito das várias áreas de conhecimento para desenvolver o tema, dentro dos limites estruturais do texto dissertativo-argumentativo. 80
Selecionar, relacionar, organizar e interpretar informações, fatos, opiniões e argumentos em defesa de um ponto de vista. 80
Demonstrar conhecimento dos mecanismos linguísticos necessários para a construção da argumentação. 80
Elaborar a proposta de solução para o problema abordado, mostrando respeito aos valores humanos e considerando a diversidade sociocultural. 0
Nota final 320

Redações corrigidas

Título nota (0 a 1000)

Os textos desse bloco foram elaborados por internautas que desenvolveram a proposta apresentada pelo UOL para este mês. A seleção e avaliação foi feita por uma equipe de professores associada ao Banco de redações.

Os textos publicados antes de 1º de janeiro de 2009 não seguem o novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa. A grafia vigente até então e a da reforma ortográfica serão aceitas até 2012.

Copyright UOL. Todos os direitos reservados. É permitida a reprodução apenas em trabalhos escolares, sem fins comerciais e desde que com o devido crédito ao UOL e aos autores.