Problema coletivo, solução coletiva

NOTA 3,0

O Aedes aegypti, até há alguns meses conhecido como o mosquito transmissor da dengue, Conhecido até alguns meses atrás como transmissor da dengue, o Aedes aegypti foi promovido recentemente ao a transmissor de outras doenças doenças, até então pouco conhecidas da população: a febre chikungunya e a microcefalia Chikungunya e do Zika, além da microcefalia.

As formas de contágio e, principalmente, de prevenção continuam as mesmas: há que se evitar a proliferação do mosquito, para que suas fêmeas, ao picarem os seres humanos, não depositem seus ovos contendo os vírus causadores das doenças.

Embora a população seja constantemente alertada pelos meios de comunicação e pelas campanhas governamentais da importância de se eliminarem os focos dos criadouros, e os criadouros e manterem constante vigilância em seus quintais e telhados, há a percepção existe uma percepção generalizada de que o problema é sempre do vizinho. Em geral, a população é bem eficiente em denunciar os matagais, lixões, vizinhos e casas abandonadas, mas nem sempre gasta algumas horas da semana para inspecionar seus quintais e calhas de telhados. Pensam muitos muitos: "de que adianta eu olhar o meu quintal se o meu vizinho não o faz?", ou "de que adianta eu fiscalizar as calhas do meu telhado se a prefeitura não cuida das áreas públicas repletas de criadouros do mosquito?".

Além disso, pesa o estigma que os males transmitidos pelo mosquito são "doenças de pobre". Embora, de fato, a maior parte dos contaminados residam em áreas carentes, onde há maior propensão a terrenos baldios e criadouros para depósito dos ovos do mosquito, e tenham menos acesso a tratamentos médicos, o Aedes aegypti tem um grande poder de locomoção e não escolhe o indivíduo a ser picado pela classe social.

Comentário geral

Texto fraco, cujo maior mérito está na argumentação apresentada no terceiro parágrafo, mas, em termos de estrutura, o grande problema é a introdução expositiva e a falta de conclusão: os dois primeiros parágrafos são expositivos e não apresentam uma tese que  deveria estar lá para poder ser entendida. O último parágrafo traz um novo argumento sobre a causa da proliferação do mosquito. Se fosse uma conclusão deveria retomar os argumentos anteriores para demonstrar a tese (inexistente) dos primeiros parágrafos.

Aspectos pontuais

1) Título: não há nada no texto que justifique a escolha do título.

2) Primeiro parágrafo: foi promovido tem sentido figurado e irônico, mas é uma ironia despropositada, que não se encaixa no contexto do parágrafo.

3) Segundo parágrafo: a informação é incorreta. O contágio se dá pela picada e não pelos ovos, que não são depositados nos seres humanos, mas na água parada.

4) Terceiro parágrafo: será que há de fato esse estigma? Que provas o autor dá dessa afirmação?

Competências avaliadas

Itens Nota
Demonstrar domínio da norma culta da língua escrita. 1,0
Compreender a proposta da redação e aplicar conceito das várias áreas de conhecimento para desenvolver o tema, dentro dos limites estruturais do texto dissertativo-argumentativo. 1,0
Selecionar, relacionar, organizar e interpretar informações, fatos, opiniões e argumentos em defesa de um ponto de vista. 0,5
Demonstrar conhecimento dos mecanismos linguísticos necessários para a construção da argumentação. 0,5
Elaborar a proposta de solução para o problema abordado, mostrando respeito aos valores humanos e considerando a diversidade sociocultural. 0,0
Nota final 3,0
Saiba como é feito a classificação das notas
2,0 - Satisfatório 1,5 - Bom 1,0 - Regular 0,5 - Fraco 0,0 - Insatisfatório

Os textos publicados antes de 1º de janeiro de 2009 não seguem o novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa. A grafia vigente até então e a da reforma ortográfica serão aceitas até 2012

Copyright UOL. Todos os direitos reservados. É permitida a reprodução apenas em trabalhos escolares, sem fins comerciais e desde que com o devido crédito ao UOL e aos autores.

UOL Cursos Online

Todos os cursos