Quem é o vilão da vez?

NOTA 8,0

Quem é são de fato os grandes vilões do Brasil? Vivemos atualmente em uma sociedade totalmente corrompida, onde em que os valores, a moral, ética e porque não dizer e – por que não dizer? – os bons costumes são foram reduzidos a pó. Esquecidos em algum lugar do universo paralelo de alguns defensores dos direitos humanos humanos, que insistem em passa passar a mão na cabeça de delinquentes, afirmando que os mesmo eles são vitimas vítimas da sociedade.

Infelizmente a mídia é um dos grandes fatores do agravamento do desse câncer brasileiro. sensacionalista Sensacionalista e instruída pelo próprio governo a mesma faz governo, a imprensa cumpre muito bem o papel de alienar o população menos informada e com poucos recursos de para buscar uma informação de forma imparcial imparcial. "Bandido bom é bandido morto"? se Se fosse assim, a chacina teria inicio início em Brasília. Mas é preciso preciso, também, ter o bom senso de saber que bandido bom, é bom é bandido preso. Pois ele eles não são as vitimas vítimas.

É fácil passar nos jornais que um delinquente morreu, pela morreu pela arma de um policial, o difícil é mostrar quantas famílias esse mesmo criminoso já tinha acabado, é e quantas quantas vidas tirou. Recentemente dois PMs foram mortos de forma cruel, cruel um foi encontrado numa favela, com grandes indícios de tortura, o mesmo estava estava queimado, fato que certamente aconteceu quando o mesmo ele ainda estava vivo. Outro, também espancando espancado, foi amarrado à a um cavalo pelos pés, onde em seguida fizeram o animal correr. É E o pior, nenhum desses crimes foi divulgado em nenhum órgão televisivo.

Atualmente o Deputado deputado Jair Bolsonaro é apontado como fascista, homofóbico, racista... Mas, o que fazem faz os holofotes se voltarem para ele é o seu posicionamento em defesa dos policiais "os policiais. "Os bandidos não estão ai para brincadeira" – diz ele –, o que realmente e é verdade, verdade: "não se enfrenta um cara que esta está de fuzil, com uma flor" . Outro fato, que também chama bastante atenção atenção, é a diferença do tratamento que o policial brasileiro tem em relação aos americano americanos. Lá eles são considerados heróis, aqui são apenas os bandidos da vez.

Não deve-se Não se devem esquecer os casos de abuso de poder e de policiais corruptos, porém nem tão pouco colocar todos no mesmo patamar. Eles não são o grande inimigo! Mas, nada podem fazer sem a ajuda do governo, que deve reforçar as leis e criar novas de acordo com atual situação brasileira. O Brasil não deve ser o pais país da impunidade e, enquanto houver tanta desvalorização da classe, não haverá progresso. Também é dever do estado Estado proteger os PM [PMs] , que muitas vezes se dizem com medo de de, se não de morrerem na mão de um bandido, serem acusados pelos direitos humanos "que nunca precisaram subir a um morro para pacifica-lo pacificá-lo ou sofreram ameaças". Lugar de delinquente e é na cadeia e não nas ruas sendo favorecidos por leis e impunidades.

Comentário geral

O texto é bastante razoável, mas devido ao seu tom inflamado, em especial nos parágrafos iniciais, corre o risco de ser considerado ofensivo aos direitos humanos e prejudicado em função das ideias que veicula. Na verdade, o texto está longe de defender a morte ou um tratamento desumano para os bandidos. Defende, isso sim, maior rigor no uso da lei e a criação de leis mais rigorosas, questionando a mentalidade que vê os bandidos como vítimas da sociedade. Deixando de lado as questões do conteúdo, há uma grande quantidade de erros gramaticais – alguns graves e recorrentes –, além de tropeços linguísticos. Mesmo assim, o autor consegue se comunicar com clareza e argumentar em favor de seu ponto de vista, desenvolvendo, de fato, uma dissertação argumentativa.

Aspectos pontuais

1) Primeiro parágrafo: a) por valores (morais), moral e ética o autor se refere a uma mesma coisa e apresentá-la com três nomes diferentes é um recurso desnecessário para aumentar a frase. b) Grave e recorrente o uso inadequado do termo mesmo. Sugerimos a quem quer aprender a usá-lo clicar aqui.

2) Terceiro parágrafo: a) certo seria falar em passar nos telejornais. É importante lembrar que ainda existem jornais impressos e outras formas de jornalismo além da televisão. b) a frase tem a sintaxe truncada e precisaria ser completamente reescrita para ficar correta. Assim: Outro, também espancado, foi amarrado pelos pés a um cavalo, que em seguida foi posto a correr, arrastando-o. c) É difícil crer que esses crimes não tenham sido noticiados pela televisão, em especial em programas jornalísticos que cobrem crimes. Ainda que admitíssemos que isso não ocorreu, é o caso de perguntar: como o autor da redação ficou sabendo deles? A resposta a essa questão enriqueceria o texto e fortaleceria a argumentação.

3) Quarto parágrafo: o trecho em vermelho tinha a sintaxe truncada e era confuso, precisando da intervenção em verde para ficar organizado.

4) Quinto parágrafo: a) Não se trata de reforçar as leis, mas de garantir o cumprimento das leis. b) Desvalorização de que classe? Dos policiais? Polícia não é uma classe social. O que o autor quer dizer nesse trecho não fica claro. c) ninguém é acusado pelos direitos humanos. Quando muito, pelos defensores dos direitos humanos. c) Melhor seria falar em ser favorecido por leis que garantem a impunidade.

Competências avaliadas

Itens Nota
Demonstrar domínio da norma culta da língua escrita. 1,0
Compreender a proposta da redação e aplicar conceito das várias áreas de conhecimento para desenvolver o tema, dentro dos limites estruturais do texto dissertativo-argumentativo. 2,0
Selecionar, relacionar, organizar e interpretar informações, fatos, opiniões e argumentos em defesa de um ponto de vista. 1,5
Demonstrar conhecimento dos mecanismos linguísticos necessários para a construção da argumentação. 2,0
Elaborar a proposta de solução para o problema abordado, mostrando respeito aos valores humanos e considerando a diversidade sociocultural. 1,5
Nota final 8,0
Saiba como é feito a classificação das notas
2,0 - Satisfatório 1,5 - Bom 1,0 - Regular 0,5 - Fraco 0,0 - Insatisfatório

Os textos publicados antes de 1º de janeiro de 2009 não seguem o novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa. A grafia vigente até então e a da reforma ortográfica serão aceitas até 2012

Copyright UOL. Todos os direitos reservados. É permitida a reprodução apenas em trabalhos escolares, sem fins comerciais e desde que com o devido crédito ao UOL e aos autores.

UOL Cursos Online

Todos os cursos