Redes sociais e seu protagonismo no século XXI

NOTA 2,5

O físico alemão Albert Einsten Einstein temia o dia em que a tecnologia superaria a interação humana, contudo contudo, com o avanço da internet após a revolução tecno-científica tecnocientífica, simultaneamente as redes sociais transformaram-se em protagonistas da era contemporânea, em síntese, suas influências provocaram demasiadamente facilidade na comunicação, ao mesmo tempo em que o uso excessivo dos mecanismos tecnológicos comprometa os relacionamentos sociais.

A Primavera Árabe foi uma onda de protestos que ocorreram ocorreu em vários países do Oriente Médio, restaurando-se governos ditatoriais teve grande importância para o mundo político atual, ademais seu principal precursor foram as redes sociais que disseminou disseminaram informações e sensibilizou sensibilizaram a população a integrar-se na revolução, logo é uma consequência da globalização que mecanismos tecnológicos aproximem a diversidade, cultura e notícias rapidamente.

Em contraste, o uso desmoderado de tempo gasto Por outro lado, gastar tempo em excesso em redes sociais pode ser prejudicial à saúde mental assim mental. Assim aponta um estudo realizado pela agência de saúde pública de Ottawa, Canadá, de forma que os índices de ansiedade e depressão disparem, dessa forma maleficia a concentração e o desempenho em diversas áreas sociais. Além disso, há a dificuldade de possuir privacidade pois essas redes preservam frequente exposição de seus usuários.

Em suma, devido ao grande destaque das redes sociais cotidianamente, é imprescindível sua importância à repercussão para a difusão de conhecimento, porém seu uso descomedido é um problema gradativo e, portanto, deve ser limitado e monitorado pelos pais –ao tratar-se de adolescentes–, ou empresas. Bem como, é cabível aos órgãos públicos usar de campanhas nos próprios meios tecnológicos para alertá-los de seus malefícios causando uma devida conscientização, logo posteriormente as redes sociais se modificarão em objeto, não sujeito, pelo qual que Einstein não precisará precisaria temer.

Comentário geral

Infelizmente, o texto é muito ruim. O autor tenta mostrar conhecimentos, referindo-se a Einstein, à chamada Primavera árabe, etc., mas, ao fazer declarações equivocadas sobre eles, mostra exatamente o contrário. Nota-se que ele tem um ponto de vista (as redes sociais têm pontos positivos e pontos negativos) e se esforça por defendê-lo, mas, talvez por falta de domínio da linguagem escrita, ele se perde em frases obscuras na maior parte do texto, para não falar de equívocos factuais, que também talvez ocorram pelo mesmo motivo. Tecnicamente falando, há basicamente problemas de sintaxe e de escolha de um vocabulário inadequado. O que surpreende no texto é que, apesar de tudo isso, é que existe alguma coesão entre os parágrafos e uma linha de raciocínio que faz o texto progredir da proposição à conclusão, passando pela argumentação. Ou seja, o autor compreende o que é uma dissertação e tem alguma noção de como fazê-la. Seus problemas maiores estão no nível da linguagem.

Aspectos pontuais

1) Primeiro parágrafo: a) a expressão tecnologia superar a interação humana é obscura: o que exatamente o autor quer dizer com ela? Mesmo a interação entre dois internautas em redes sociais, que é sofisticadamente tecnológica, ainda pressupõe a existência de seres humanos, que usam a tecnologia para se comunicar. A expressão é obscura a ponto de ser difícil acreditar que ela seja uma interpretação correta de algum pensamento expresso por Einstein. b) Todo o trecho final é obscuro: simultaneamente e ao mesmo tempo são sinônimos. Além disso, o autor parece querer falar difícil para dar mais profundidade à simples ideia de que há aspectos positivos e negativos nas redes sociais.

2) Segundo lugar: a chamada Primavera árabe ocorreu quando ditaduras foram derrubadas e não restauradas (= recolocadas no poder). A escolha de um conceito errado (restaurar) prejudica todo o parágrafo, pois torna incorretos os fatos expostos. A única afirmação coerente nesse parágrafo é a importância das redes sociais nos eventos.

3) Terceiro parágrafo: Mais uma vez, a escolha de vocabulário é inadequada. Para piorar a combinação das palavras também é ruim. Ou seja, escolher e conectar inadequadamente as palavras é o caminho certo para a má comunicação. Ao escolher o verbo preservar o aluno incorre em problema análogo ao de quando usou restaurar. Preservar tem duplo sentido. Sugerimos que o autor consulte um Houaiss on-line.

4) Quarto parágrafo: mais ambiguidade, obscuridade e erros factuais. Será que só os adolescentes e os empregados de empresa usam as redes sociais? É óbvio que não. De resto, é absurdo falar que Einstein não precisará se preocupar com o futuro, pois, evidentemente, essa não é uma preocupação dos mortos. Não era bem isso o que o autor queria dizer, mas o tempo verbal que ele escolheu inclui essa conotação.

Competências avaliadas

Itens Nota
Demonstrar domínio da norma culta da língua escrita. 0,5
Compreender a proposta da redação e aplicar conceito das várias áreas de conhecimento para desenvolver o tema, dentro dos limites estruturais do texto dissertativo-argumentativo. 0,5
Selecionar, relacionar, organizar e interpretar informações, fatos, opiniões e argumentos em defesa de um ponto de vista. 0,5
Demonstrar conhecimento dos mecanismos linguísticos necessários para a construção da argumentação. 0,5
Elaborar a proposta de solução para o problema abordado, mostrando respeito aos valores humanos e considerando a diversidade sociocultural. 0,5
Nota final 2,5
Saiba como é feito a classificação das notas
2,0 - Satisfatório 1,5 - Bom 1,0 - Regular 0,5 - Fraco 0,0 - Insatisfatório

Os textos publicados antes de 1º de janeiro de 2009 não seguem o novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa. A grafia vigente até então e a da reforma ortográfica serão aceitas até 2012

Copyright UOL. Todos os direitos reservados. É permitida a reprodução apenas em trabalhos escolares, sem fins comerciais e desde que com o devido crédito ao UOL e aos autores.

UOL Cursos Online

Todos os cursos