Restrição no foro privilegiado

NOTA 5,5

O foro privilegiado é um benefício concedido para políticos ou quem ocupa determinados cargos públicos. Essas pessoas não são julgadas pela justiça comum, demonstrando uma sensação de impunidade.

Alguns defendem o foro privilegiado, pois consideram que a justiça comum não tem possibilidade de realizar julgamentos de uma pessoa com alto cargo e muita influência política, com total imparcialidade. Por exemplo, se um juiz de uma determinada cidade tivesse que julgar o governador do estado Estado, seria enorme a pressão política exercida sobre o magistrado.

Por outro lado, há quem defenda a manutenção do foro, não no formato atual, mas reduzindo o número de cargos e agentes públicos beneficiados. No entanto, no modelo virgente vigente, percebe-se uma certa impunidade, pois alguns casos demoram tanto para serem julgados que chegam a prescrever.

Por tanto Portanto, a sensação de impunidade aumenta cada vez mais em nosso país. Algumas formas de amenizar essa situação, além da redução do número de pessoas com foro privilegiado, é a celeridade no andamento dos processos, para evitar prescrição, maior rigor na aplicabilidade e execução das penas. Com isso, passaria, efetivamente, a valer a máxima que a justiça é para todos.

Comentário geral

Texto regular, cujo principal problema é a perda de foco: o autor mistura foro privilegiado e impunidade, que, embora relacionados, não são a mesma coisa. A sensação de impunidade que vigora no país não se refere exclusivamente ao julgamento especial dado aos políticos e autoridades, mas às penas brandas, indultos e benefícios dados aos presos comuns, sejam assassinos, ladrões, estupradores, etc. De qualquer modo, o texto está relativamente bem escrito, pois sua linguagem, apesar de simples, é correta e clara. Segue também a estrutura dissertativa, apresentando prós e contras sobre o tema, para extrair uma conclusão.

Aspectos pontuais

1) Primeiro parágrafo: quem demonstra a sensação de impunidade, os beneficiários do foro privilegiado ou o próprio foro privilegiado? Como o aluno se refere aos beneficiários, em vez de "demonstrando", deveria dizer "desfrutando", "usufruindo", a bem da sintaxe e da clareza de sua declaração.

2) Segundo parágrafo: para não reproduzir um argumento apresentados na coletânea, o autor o inverteu equivocadamente. O foro privilegiado visa a proteger o acusado e não o juiz da causa.

Competências avaliadas

Itens Nota
Demonstrar domínio da norma culta da língua escrita. 1,5
Compreender a proposta da redação e aplicar conceito das várias áreas de conhecimento para desenvolver o tema, dentro dos limites estruturais do texto dissertativo-argumentativo. 1,0
Selecionar, relacionar, organizar e interpretar informações, fatos, opiniões e argumentos em defesa de um ponto de vista. 1,0
Demonstrar conhecimento dos mecanismos linguísticos necessários para a construção da argumentação. 1,0
Elaborar a proposta de solução para o problema abordado, mostrando respeito aos valores humanos e considerando a diversidade sociocultural. 1,0
Nota final 5,5
Saiba como é feito a classificação das notas
2,0 - Satisfatório 1,5 - Bom 1,0 - Regular 0,5 - Fraco 0,0 - Insatisfatório

Os textos publicados antes de 1º de janeiro de 2009 não seguem o novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa. A grafia vigente até então e a da reforma ortográfica serão aceitas até 2012

Copyright UOL. Todos os direitos reservados. É permitida a reprodução apenas em trabalhos escolares, sem fins comerciais e desde que com o devido crédito ao UOL e aos autores.

UOL Cursos Online

Todos os cursos