Se a arte questiona tudo, não podemos também questioná-la?

NOTA 2,5

A arte, indubitavelmente indubitavelmente, tem um papel relevante no desenvolvimento da sociedade, assim como no passado, quando influenciou o iluminismo Iluminismo, com os novos dogmas para resgatar o homem das trevas Trevas, o que gerou uma certa ambiguidade ambiguidade, levando a arte a novos patamares de deterioração social. Pergunta-se: A a arte é inquestionável, isto é, verdade única e absoluta?

É elementar que que, de qualquer modo modo, a arte desperta o senso crítico do ser e do porquê, aguçando a reflexão de temas polêmicos e intrínsecos numa comunidade heterogênea. A verdadeira razão, acredita-se, que arte é justamente um elo para romper paradigmas e lançar sobre os indivíduos o seu posicionamento sobre determinado tema.

Particularmente, a respeito da exposição de arte "Criança viada", da artista Bia Leite, acredita-se que a autora, tivesse autora tivesse o objetivo de demonstrar o quão natural é a infância de uma criança LGBT, assim como qualquer outra criança, entretanto, utilizou-se de subterfúgios, sendo intolerante às opiniões, ou convicções contrárias a dela, pois atacou símbolos considerados sagrados para determinada classe de pessoas, bem como, maculou a inocência de todas as crianças, quando expos expôs com adultos e seus corpos nus.

Se a comunidade LGBT vem sofrendo preconceito, como não há dúvidas que sofra, não é impondo o seu ponto de vista, sem respeitar aos demais demais, que conquistarão conquistará o seu espaço na sociedade.

Finalmente, acredita-se que a palavra a inserir nos corações das pessoas é tolerância, porque apesar de não concordar com o que o próximo pense, ou como aja, devemos ser tolerantes às suas convicções, para haver reciprocidade.

Comentário geral

Texto muito fraco, infelizmente. O autor não compôs uma dissertação argumentativa, limitando-se a fazer digressões sobre a arte, sobre uma das obras de Bia Leite que ele confundiu com as duas exposições que deram o tema da redação, bem como mais uma sobre os LGBTs e outra sobre a tolerância. Não há argumentação, apenas expressões de opinião sem a exposição dos fatos que a justifiquem, que se encerram com um parágrafo que faz uma proposta de intervenção exclusivamente subjetiva.

Aspectos pontuais

1) Primeiro parágrafo: é lamentável, mas a tentativa de apresentar conhecimentos históricos levou o aluno a uma declaração repleta de erros e aparentemente sem sentido. É impossível entender o que o autor pretendia dizer. Para piorar, ele encerra o parágrafo lançando abruptamente uma pergunta, que responde de maneira ambígua e confusa no desenvolvimento.

2) Segundo parágrafo: a) nova declaração obscura. O autor usa as palavras num idioleto indecifrável para o leitor. b) Elo para romper? Só na língua do autor, pois, em português, elo não rompe, liga, já que elo é uma parte de uma corrente.

3) Terceiro parágrafo: aqui a confusão é completa, seja no nível dos fatos, seja no nível conceitual. Para apontar apenas um erro factual: não houve nenhuma exposição intitulada "Criança viada". Um erro conceitual: a artista usou subterfúgios. Como assim?

4) Quinto parágrafo: primeiro um verbo com sujeito indeterminado, depois um com sujeito na primeira pessoa no plural. A quem o autor se refere, afinal?

Competências avaliadas

Itens Nota
Demonstrar domínio da norma culta da língua escrita. 0,5
Compreender a proposta da redação e aplicar conceito das várias áreas de conhecimento para desenvolver o tema, dentro dos limites estruturais do texto dissertativo-argumentativo. 0,5
Selecionar, relacionar, organizar e interpretar informações, fatos, opiniões e argumentos em defesa de um ponto de vista. 0,5
Demonstrar conhecimento dos mecanismos linguísticos necessários para a construção da argumentação. 0,5
Elaborar a proposta de solução para o problema abordado, mostrando respeito aos valores humanos e considerando a diversidade sociocultural. 0,5
Nota final 2,5
Saiba como é feito a classificação das notas
2,0 - Satisfatório 1,5 - Bom 1,0 - Regular 0,5 - Fraco 0,0 - Insatisfatório

Os textos publicados antes de 1º de janeiro de 2009 não seguem o novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa. A grafia vigente até então e a da reforma ortográfica serão aceitas até 2012

Copyright UOL. Todos os direitos reservados. É permitida a reprodução apenas em trabalhos escolares, sem fins comerciais e desde que com o devido crédito ao UOL e aos autores.

UOL Cursos Online

Todos os cursos