Topo

Banco de Redações

O UOL corrige e comenta 20 redações. Envie a sua sobre o tema da vez



REDAÇÕES CORRIGIDAS - Janeiro/2016 Por que o Brasil não consegue vencer o Aedes aegypti?

Redação corrigida 550

(Sem título 091)

Erro Alteração Correção

O aedes Aedes aegypti é um mosquito responsável pela transmissão de diversas doenças, entre elas a dengue, a febre amarela e a febre zika do Zika. Por esse motivo, é preciso que, para assegurar a saúde da população brasileira, os focos de contaminação sejam eliminados.

São vários os fatores que favorecem a proliferação do mosquito no território brasileiro, como por exemplo exemplo, o clima tropical tropical, associado ao acúmulo de água em vasos, pneus, garrafas e outros recipientes deixados por pessoas que não são conscientizadas da maneira correta.

Além da questão da conscientização da população, existe também a ação falha do governo, que muitas vezes está envolvido em sistemas de corrupção e desvio de verbas que deveriam ser destinadas a erradicar o mosquito.

Para que o país avance com sucesso na luta contra o aedes Aedes aegypti é preciso que, primeiramente, o governo invista verdadeiramente em uma educação de qualidade para a população, a qual muitas vezes se mostra inerte diante da situação, e que se desenvolvam novas tecnologias eficazes e capazes de deter este perigoso transmissor de doenças.

Comentário geral

Texto regular. No âmbito positivo, destaca-se a estrutura dissertativa-argumentativa correta e a clareza da linguagem. No âmbito negativo, o texto é superficial e carece de um desenvolvimento mais aprofundado. Além disso, a maioria dos problemas exposta é genéricas demais. Pode-se atribuir um grande número de problemas à falta de educação do povo e à corrupção do governo, mas falta mostrar como essas questões interferem especificamente no caso do combate ao Aedes aegypti.

Aspectos pontuais

1) Primeiro parágrafo: focos de contaminação é uma expressão imprecisa. Na verdade, o aluno quer se referir aos criadouros do mosquito, aos focos de proliferação do mosquito.

2) Segundo parágrafo: é mais adequado dizer que as pessoas não têm consciência do problema, do que dizer que elas não são conscientizadas de maneira correta. Como seria essa conscientização correta? Como ela se distingue da conscientização incorreta que tem sido praticada até agora? Ao falar em conscientização correta, o autor abre margem a essas dúvidas. Então, é preciso explicar as falhas que as ações de conscientização apresentam.

3) Terceiro parágrafo: A questão da corrupção não é tão simples assim e não se dá especificamente em relação às verbas destinadas ao combate do Aedes aegypti. O texto é superficial quanto a essa questão.

4) Quarto parágrafo: a) a repetição dos advérbios terminados em mente não chega a ser um erro, mas é demonstra uma pobreza no uso dos recursos que a língua oferece. b) Se a tecnologia é eficaz, é porque ela é capaz de resolver o problema. Então falar em eficaz e capaz não faz sentido.

Competências avaliadas

As notas são definidas segundo os critérios da pontuação do MEC
Título nota (0 a 1000)
Demonstrar domínio da norma culta da língua escrita. 100
Compreender a proposta da redação e aplicar conceito das várias áreas de conhecimento para desenvolver o tema, dentro dos limites estruturais do texto dissertativo-argumentativo. 150
Selecionar, relacionar, organizar e interpretar informações, fatos, opiniões e argumentos em defesa de um ponto de vista. 100
Demonstrar conhecimento dos mecanismos linguísticos necessários para a construção da argumentação. 100
Elaborar a proposta de solução para o problema abordado, mostrando respeito aos valores humanos e considerando a diversidade sociocultural. 100
Nota final 550

Redações corrigidas

Título nota (0 a 1000)

Os textos desse bloco foram elaborados por internautas que desenvolveram a proposta apresentada pelo UOL para este mês. A seleção e avaliação foi feita por uma equipe de professores associada ao Banco de redações.

Os textos publicados antes de 1º de janeiro de 2009 não seguem o novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa. A grafia vigente até então e a da reforma ortográfica serão aceitas até 2012.

Copyright UOL. Todos os direitos reservados. É permitida a reprodução apenas em trabalhos escolares, sem fins comerciais e desde que com o devido crédito ao UOL e aos autores.