Terceirização: de fato, um retrocesso

NOTA 3,0

Estamos vivendo uma das maiores crises da história da humanidade. E, é E é óbvio que medidas terão que ser tomadas para economizar o bastante, porém, terceirizar atividades-fim não será apenas uma solução; pois há séculos combatemos contra o trabalho escravo, e essa ideia poderá trazê-lo como um problema.

Pesquisas comprovam de que a terceirização é uma forma de trabalho escravocrata escravo. Os trabalhadores já não recebem o suficiente para se sustentar e nem de acordo com as horas de trabalho, se isso acontecer, aumentará ainda mais o número de pobreza pobres do país.

É notório notória a forma humilhante de se trabalhar por meio da terceirização. A partir do momento que se trabalha mais e ganha menos, é denominado trabalho escravo. Sem contar as inúmeras empresas desqualificadas que irão contratar esses trabalhadores; o que garante que ela elas irão respeitar os direitos trabalhistas?

Portanto, medidas serão necessárias para resolver o impasse. O ministério do trabalho junto aos sindicatos, O Ministério do Trabalho e os sindicatos devem entrar em um acordo que seja bom para todos e que respeitem os direitos de todos. Porque no momento em que foi apontado como lei, deveria colocar em vigor, primeiramente, os direitos do trabalhador.

Comentário geral

 

Texto fraco. Expressa a indignação do autor pela terceirização, mas não o faz através de uma argumentação racional ou lógica. Pelo contrário, o texto é hiperbólico. O exagero é tanto que se começa por falar em maior crise da história da humanidade. Que crise é essa? Nunca houve maiores? E as guerras mundiais? E as ameaças de guerra nuclear durante a Guerra Fria? Será que a terceirização se compara a isso? Aliás, comparação da terceirização com a escravidão também é exagerada e fica apenas no âmbito da retórica, pois o autor não apresenta fatos que a comprovem. Fala em pesquisas. Que pesquisas? O que elas apuraram? Como elas puderam concluir que a terceirização é análoga à escravidão? A terceirização pode diminuir o preço do trabalho, mas continuarão existindo direitos trabalhistas e salários. De positivo, o texto só tem uma linguagem relativamente correta e clara.

 

Aspectos pontuais

 

1) Primeiro parágrafo: além do exagero já apontado, é o caso de se perguntar que crise é essa? A aprovação da lei da terceirização? Por que todos precisam economizar bastante? A terceirização, que se saiba, vai proporcionar economia somente aos empresários. Continuamos combatendo o trabalho escravo, porque ainda existe gente que se submete a trabalho em condições análogas à da escravidão, sendo obrigado a trabalhar em excesso, sem ser pago e sem poder escapar da armadilha que o levou a essa situação. A terceirização vai fazer o trabalho escravo virar um problema? Ora, com ou sem terceirização, o trabalho escravo já é crime. Enfim, do começo ao fim, o autor demonstra que sua indignação supera seu senso de realidade.

2) Segundo parágrafo: que pesquisas? Por quem foram feitas? Onde foram divulgadas? Trabalhadores é um termo extremamente genérico, que vai dos executivos aos garis. Todos eles não ganham o suficiente para se sustentar?

3) Terceiro parágrafo: a) Não é notório o caráter humilhante do trabalho terceirizado. Por que seria? Porque o autor acha isso? Ninguém é obrigado a concordar com ele, se ele não justificar suas afirmações. b) Escravidão não é trabalhar mais e ganhar menos. Há um erro conceitual aqui. Metaforicamente, pode-se chamar isso de escravidão. Mas não no sentido estrito e objetivo da palavra escravidão. c) O trabalhador terceirizado será contratado por uma empresa de mão de obra, evidentemente de acordo com as leis em vigor no país, ou seja, a CLT.

4) Quarto parágrafo: Uma dica: é melhor ser bem genérico ao sugerir que instituições se reúnam para resolver problemas. Por quê? Porque leis não são formuladas pelo Ministério do Trabalho e nem pelos sindicatos e a sugestão só faz demonstrar que o autor desconhece a organização político-administrativa do país. De resto, o que foi apontado como lei? O que significa isso?

 

 

 

Competências avaliadas

Itens Nota
Demonstrar domínio da norma culta da língua escrita. 1,0
Compreender a proposta da redação e aplicar conceito das várias áreas de conhecimento para desenvolver o tema, dentro dos limites estruturais do texto dissertativo-argumentativo. 0,5
Selecionar, relacionar, organizar e interpretar informações, fatos, opiniões e argumentos em defesa de um ponto de vista. 0,5
Demonstrar conhecimento dos mecanismos linguísticos necessários para a construção da argumentação. 0,5
Elaborar a proposta de solução para o problema abordado, mostrando respeito aos valores humanos e considerando a diversidade sociocultural. 0,5
Nota final 3,0
Saiba como é feito a classificação das notas
2,0 - Satisfatório 1,5 - Bom 1,0 - Regular 0,5 - Fraco 0,0 - Insatisfatório

Os textos publicados antes de 1º de janeiro de 2009 não seguem o novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa. A grafia vigente até então e a da reforma ortográfica serão aceitas até 2012

Copyright UOL. Todos os direitos reservados. É permitida a reprodução apenas em trabalhos escolares, sem fins comerciais e desde que com o devido crédito ao UOL e aos autores.

UOL Cursos Online

Todos os cursos