Todos são iguais perante a lei?

NOTA 4,0

Percebe-se que um assunto muito debatido na sociedade brasileira é sobre a positividade ou negatividade do famoso foro privilegiado. Porém, com a crescente corrupção, não é possível identificar o que há de benéfico para a sociedade nesta lei.

Outrossim, esta Pelo contrário, essa lei favorece a corrupção. Por isso, na hora de efetuar um crime contra a sociedade, a famosa corrupção, o político pensa duas vezes e é impossível não pensar nessa lei como favorecimento a ele. Ou seja, a certeza de falta de impunidade com urgência, impulsiona urgência impulsiona a falta de caráter e moralidade de políticos corruptos.

Ademais, o homem público não pode ser colocado como superior aos demais cidadãos. Uma cidadãos, uma vez que, segundo a constituição Constituição federal, artigo 113, inciso 1, "todos os cidadãos são iguais perante a lei". Que bondade há em uma lei que fere outra lei e coloca como inferiores os demais cidadãos?. cidadãos?

Portanto, se favorece a corrupção e inferioriza a população, é indubitavelmente necessário que o Governo Congresso, por meio de uma reforma na constituição Constituição, promova a igualdade, para que políticos sejam julgados conforme os seus atos como todos os cidadãos comuns, para que todos, absolutamente todos todos, sejam iguais perante a lei.

Comentário geral

Texto razoável, apesar dos problemas pontuais. O autor soube expressar o seu ponto de vista sobre o tema e apresentar argumentos para defendê-la, mesmo com uma linguagem sofrível e alguns equívocos conceituais.

Aspectos pontuais

1) Primeiro parágrafo: o autor começa mal. Não se trata de uma percepção sobre positividade ou negatividade do foro privilegiado. O fato que gerou o tema da redação é a avaliação do foro privilegiado no STF.

2) Segundo parágrafo: a) fazer colocações como "a famosa corrupção" não se justifica num texto formal e sério. b) O "político pensa duas vezes"? Como assim? Parece que é exatamente o contrário: o político não pensa duas vezes, pois tem certeza da impunidade. c) "Certeza da falta de impunidade" é certeza de punição. O autor diz o contrário do que pretendia.

3) Terceiro parágrafo: De onde o autor tirou essa informação. Isso não está no artigo 113, mas no artigo 5 da Constituição.

Competências avaliadas

Itens Nota
Demonstrar domínio da norma culta da língua escrita. 1,0
Compreender a proposta da redação e aplicar conceito das várias áreas de conhecimento para desenvolver o tema, dentro dos limites estruturais do texto dissertativo-argumentativo. 1,0
Selecionar, relacionar, organizar e interpretar informações, fatos, opiniões e argumentos em defesa de um ponto de vista. 1,0
Demonstrar conhecimento dos mecanismos linguísticos necessários para a construção da argumentação. 1,0
Elaborar a proposta de solução para o problema abordado, mostrando respeito aos valores humanos e considerando a diversidade sociocultural. 0,0
Nota final 4,0
Saiba como é feito a classificação das notas
2,0 - Satisfatório 1,5 - Bom 1,0 - Regular 0,5 - Fraco 0,0 - Insatisfatório

Os textos publicados antes de 1º de janeiro de 2009 não seguem o novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa. A grafia vigente até então e a da reforma ortográfica serão aceitas até 2012

Copyright UOL. Todos os direitos reservados. É permitida a reprodução apenas em trabalhos escolares, sem fins comerciais e desde que com o devido crédito ao UOL e aos autores.

UOL Cursos Online

Todos os cursos