Trabalho terceirizado

NOTA 3,5

Depois de tantas lutas por causas e direitos trabalhistas, os brasileiros se deparam agora com a terceirização do trabalho, mediante contrato de trabalho. Um retrocesso para os trabalhadores trabalhadores, que sempre batalharam para conseguir trabalhar dignamente, com todos os seus direitos, com uma carga horária descente decente, com seus salários justos, enfim enfim vários outros direitos conquistados com muitas dificuldades. E o tão sonhado plano de carreira, nunca mais, Tudo mais! Tudo isso é muito injusto para os trabalhadores.

Mas alguém alguém, como sempre sempre, sairá ganhando com esse tipo de trabalho e e, cada vez mais mais, fica claro que serão as empresas. Pois elas terão seus custos reduzidos, terão maior lucratividade em cima muitas vezes do suor e de um trabalho desumano, ou seja, trabalha-se muito mais e se ganha muito menos. Obviamente muitas empresas terceirizadas enriquecem explorando os trabalhadores, isso é fato.

Enfim, a corda sempre arrebenta para o lado mais fraco, no caso caso, os trabalhadores. O que se espera é que a escravidão não volte, já que pelos caminhos que tudo está seguindo não seria difícil de imaginar tudo isso de volta.

Comentário geral

 

Texto fraco, marcado por um raciocínio reducionista, maniqueísta, redundante e que se encerra com exagero e clichê. De um lado, estão os pobres trabalhadores que conquistaram seus direitos com tanta luta e sofrimento. De outro, as empresas gananciosas que só se preocupam com o lucro. É o Bem contra o Mal. E o autor conclui que o Mal vence, baseado num ditado popular: a corda sempre arrebenta do lado mais fraco. Termina expressando o desejo de que, com a terceirização, a escravidão não volte a ser legal, o que é evidentemente um exagero retórico. É possível defender um ponto de vista semelhante a esse? Claro que é, mas para isso é preciso apresentar fatos que sustentem as afirmações do autor. É preciso ver que a realidade não se reduz a esse esquema maniqueísta, que ela é bem mais complexa. Por falar nisso, a estrutura do texto também é simples demais e não chega a ser dissertativa, pois a conclusão não decorre das premissas.

 

Aspectos pontuais

 

1) Primeiro parágrafo: a) autor repete e repete a ideia de dificuldade dos trabalhadores em conquistar seus direitos, como se a CLT não tivesse sido decretada pelo então ditador Getúlio Vargas, de cima para baixo e não o contrário. b) Terceirização do trabalho mediante contrato de trabalho? O que o autor quer dizer com isso? Que não deve haver contrato? c) Por que o tão sonhado plano de carreira? Por que nunca mais? Todo o parágrafo é marcado por subjetividade e sentimentalismo que não se enquadram numa dissertação.

2) Segundo parágrafo: a) com a mesma subjetividade, agora o autor apresenta o mal: as empresas e os empresários gananciosos pela própria natureza. b) Mais uma vez se reforça a ideia do calvário dos trabalhadores. c) Se isso é fato e é óbvio, o autor poderia dar um exemplo concreto? Sem exemplo, o leitor seria obrigado a acreditar que a afirmação é verdadeira e óbvia exclusivamente porque o autor do texto assim diz?

3) Terceiro parágrafo: com base no clichê de que a corda arrebenta sempre do lado mais fraco, o autor sugere, como solução do problema, que devemos torcer para não haver a volta da escravidão... Se estivesse um pouco mais bem atualizado, o autor deveria saber que a terceirização é regulamentada por lei e prevê remuneração do trabalhador, do que decorre que ela não é análoga à escravidão, além do fato de que o trabalho análogo à escravidão ainda existe no Brasil e em vários outros países do mundo.

 

Competências avaliadas

Itens Nota
Demonstrar domínio da norma culta da língua escrita. 1,0
Compreender a proposta da redação e aplicar conceito das várias áreas de conhecimento para desenvolver o tema, dentro dos limites estruturais do texto dissertativo-argumentativo. 1,0
Selecionar, relacionar, organizar e interpretar informações, fatos, opiniões e argumentos em defesa de um ponto de vista. 0,5
Demonstrar conhecimento dos mecanismos linguísticos necessários para a construção da argumentação. 0,5
Elaborar a proposta de solução para o problema abordado, mostrando respeito aos valores humanos e considerando a diversidade sociocultural. 0,5
Nota final 3,5
Saiba como é feito a classificação das notas
2,0 - Satisfatório 1,5 - Bom 1,0 - Regular 0,5 - Fraco 0,0 - Insatisfatório

Os textos publicados antes de 1º de janeiro de 2009 não seguem o novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa. A grafia vigente até então e a da reforma ortográfica serão aceitas até 2012

Copyright UOL. Todos os direitos reservados. É permitida a reprodução apenas em trabalhos escolares, sem fins comerciais e desde que com o devido crédito ao UOL e aos autores.

UOL Cursos Online

Todos os cursos