Um dilema de acordo com a perspectiva

NOTA 7,0

Sócrates foi um dos principais filósofos ocidentais, abordando, em seus discursos nas praças de Atenas, temas como amor, conhecimento, política e virtude. Um de seus posicionamentos mais surpreendentes sobre a moral é o de que é preferível ser injustiçado do que injustiçar alguém. E embora essa seja uma questão dilemática, ela pode indicar o comportamento de indivíduos e sociedades pela dicotomia entre individualismo e altruísmo - e suas implicações. Esse dilema indica a oposição entre dois tipos de comportamento: o altruísmo e o egoísmo.

Dilemas como "é preferível praticar ou sofre sofrer injustiça" tendem a ter como resposta nenhuma das duas opções, pois, em qualquer escolha, alguém será prejudicado. Entretanto, a moral que levou à resposta de Sócrates baseia-se no princípio do altruísmo, ou seja, evitar causar mal a terceiros. Além disso, não causar malefício aos outros gera um benefício àqueles que se preocupam com os demais: não haverá culpa acerca da própria atitude.

Por outro lado, escolher a outra alternativa, ainda que não seja condenável nesse contexto, revela uma importante característica ética: o individualismo. Biologicamente, esse comportamento faz sentido, já que, inclusive instintivamente, os organismos sempre lutam pelo seu próprio bem-estar. Porém, quando o individualismo é estendido ao âmbito social, ele é nocivo porque, nessa situação, é preciso prezar pela harmonia do coletivo, sem prejudicá-lo de qualquer forma; nesse sentido, praticar uma injustiça é uma decisão negativa.

A escolha entre sofrer ou executar uma injustiça não possui uma resposta ideal por ser uma questão dúbia. Contudo, quando o ato de injustiçar é expandido ao coletivo, essa opção, devido ao maniqueísmo contraste entre desejos individuais e coletivos, torna-se uma mais maléfica do que benéfica. torna-se algo mais maléfico do que benéfico.

Comentário geral

O texto é bom e não é impossível que outro corretor lhe desse uma nota melhor do que a nossa. No entanto, há alguns problemas de linguagem, de interpretação do tema e de uma argumentação sucinta demais e com alguns equívocos conceituais que nos levaram a diminuir em meio ponto o valor atribuído às quatro primeiras competências. Já na última delas, o autor não chega propriamente a apresentar uma sugestão de solução para o problema, mas reiterar a prioridade ao bem coletivo sobre o individual.

 

Aspectos pontuais

 

1) Título: o dilema não depende de um ponto de vista ou perspectiva. É a resposta que depende.

2) Primeiro parágrafo: o autor encerra o parágrafo de modo obscuro e ambíguo. Em verde, traduzimos em português claro o que ele parece estar querendo dizer.

3) Segundo parágrafo: há um erro conceitual aqui: altruísmo não significa não querer fazer o mal a terceiros. Significa querer fazer o bem, ajudar quem precisa. Se alguém vê uma pessoa morrendo de fome e segue adiante sem lhe fazer nenhum mal, esse alguém não está sendo altruísta.

4) Terceiro parágrafo: a) em que contexto? No contexto da discussão proposta por Sócrates, é condenável cometer uma injustiça. b) Outro problema conceitual: individualismo não é necessariamente egoísmo. b) Mais um deslize: os organismos vivos em geral se preocupam com o próprio bem-estar sob o ponto de vista biológico e evolucionista. Uma formiga ou uma ameba não se preocupa com o seu bem-estar. Os organismos vivos agem instintivamente em função da preservação de seus genes.

5) Quarto parágrafo: a) claro que possui uma reposta ideal. Em termos de ideias, você pode escolher entre altruísmo e egoísmo e responder a questão de acordo com sua escolha. b) Questão dúbia? Como assim? A questão é claríssima: o que é preferível em termos morais: ser justo ou ser injusto? c) O que o autor chama de maniqueísmo não é o que se pode encontrar em qualquer dicionário. É preciso muito cuidado para usar as palavras, quando não se tem certeza de seu significado preciso. d) Existem injustiças benéficas? O autor não havia falado delas até o momento. O que ele havia falado é que, no nível coletivo, o comportamento egoísta é mais prejudicial do que o altruísta.

Competências avaliadas

Itens Nota
Demonstrar domínio da norma culta da língua escrita. 1,5
Compreender a proposta da redação e aplicar conceito das várias áreas de conhecimento para desenvolver o tema, dentro dos limites estruturais do texto dissertativo-argumentativo. 1,5
Selecionar, relacionar, organizar e interpretar informações, fatos, opiniões e argumentos em defesa de um ponto de vista. 1,5
Demonstrar conhecimento dos mecanismos linguísticos necessários para a construção da argumentação. 1,5
Elaborar a proposta de solução para o problema abordado, mostrando respeito aos valores humanos e considerando a diversidade sociocultural. 1,0
Nota final 7,0
Saiba como é feito a classificação das notas
2,0 - Satisfatório 1,5 - Bom 1,0 - Regular 0,5 - Fraco 0,0 - Insatisfatório

Os textos publicados antes de 1º de janeiro de 2009 não seguem o novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa. A grafia vigente até então e a da reforma ortográfica serão aceitas até 2012

Copyright UOL. Todos os direitos reservados. É permitida a reprodução apenas em trabalhos escolares, sem fins comerciais e desde que com o devido crédito ao UOL e aos autores.

UOL Cursos Online

Todos os cursos