Um mosquito, diversos padecimentos

NOTA 7,5

Há cerca de trinta anos anos, os brasileiros travam uma verdadeira guerra contra o Aedes Aegypti aegypti, mosquito vetor da Dengue. A necessidade de erradicação dos mosquitos acentuou-se com a descoberta de novas moléstias transmitidas pela espécie, as febres Chikungunya e a do Zika, essa última suspeita de envolvimento com a microcefalia. A emergência de tais patologias patologias, associada ao período de chuvas do verão tropical, propício à reprodução do inseto, configurou-se como uma calamidade nacional, na qual surgiram especulações pessimistas sobre possíveis epidemias e diversas tentativas de por pôr fim a esse panorama, já solidificado e insolúvel.

Já é de conhecimento dos especialistas a impossibilidade de erradicação dos mosquitos: além de extremamente versáteis na escolha de criadouros onde depositam ovos, têm um ciclo de vida extremamente rápido, dificultando a localização e o interrompimento a interrupção de seu ato reprodutivo. Biólogos também afirmam que a utilização indiscriminada de inseticidas e de larvicidas contribui para a proliferação de indivíduos mais resistentes, tornando necessário o constante investimento em novos venenos.

Ademais, são fatores agravantes a quase inatividade governamental, a qual (quando ocorre) visa somente a contenção da espécie e não sua eliminação, mas também a falta de planejamento urbano, o que prejudica o acesso à água potável e à coleta de resíduos sólidos, culminando no aumento de criadouros do mosquito.

Tendo em vista a falta de participação governamental, o crescimento desordenado das cidades e a própria natureza do mosquito, erradicá-lo está fora de cogitação; São são benéficas, contudo, medidas paleativas paliativas para o controle reprodutivo do inseto, como pesquisas sobre a possibilidade de inserção de predadores naturais e sobre trangênicos capazes de esterilizar populações, assim como maior planejamento para a urbanização e disponibilização de saneamento básico, de modo a reduzir o padecimento dos brasileiros.

Comentário geral

Texto bom, que desenvolve uma reflexão apropriada sobre o tema, embora apresente problemas de conteúdo, que prejudicam o conjunto da redação. Nesse âmbito de conteúdo, em especial, destaca-se a questão da erradicação dos mosquitos, à qual o autor se refere em todos os parágrafos, ora para dizer que ela é necessária, ora para dizer que é impossível, ora para dizer que o governo não tenta atingi-la, embora o autor já tenha dito que atingi-la é impossível.

Aspectos pontuais

1) Primeiro parágrafo: é bem confuso o final desse parágrafo. Não fica claramente delineado o estado de calamidade a que o autor se refere. Em que ele consiste? No pânico da população? Possíveis epidemias? Tecnicamente, já estamos diante de uma epidemia de dengue. Uma epidemia que não só é possível, como real. E, com certeza, esse panorama está solidificado, para usar as palavras do autor, mas nem por isso ele é insolúvel. Tanto que o próprio autor da redação faz sugestões para solucionar o problema.

2) Segundo parágrafo: a) a erradicação, antes necessária, aqui se torna impossível. b) Melhor seria falar em reprodução, de um modo mais geral, que implica todo o ciclo de vida do mosquito. Ato reprodutivo é o próprio acasalamento dos insetos, é um momento apenas do seu ciclo de vida e não há como fazer os insetos não se acasalarem.

3) Terceiro parágrafo: a) a inatividade, por definição, não pode ocorrer, pois, se ocorrer, ela será uma atividade. b) Aqui há uma contradição: se a erradicação é impossível, não há porquê acusar do governo de não tentar atingi-la e se limitar às tentativas de contenção.

4) Quarto parágrafo: ao apontar soluções, seria conveniente distinguir o que pode ser feito no curto prazo e o que só pode ser feito a longo prazo ou nem pode ser feito. O saneamento básico é uma medida que não se refere somente à dengue e que não vai ser feito de uma hora para outra. Quanto a reurbanizar as cidades brasileiras, planejando-as, bem, não parece que isso seja viável, exceto no papel. Por isso mesmo, é necessária a participação da população, para que, mesmo no espaço urbano caótico das nossas cidades, consiga se evitar a proliferação dos mosquitos.

Competências avaliadas

Itens Nota
Demonstrar domínio da norma culta da língua escrita. 1,5
Compreender a proposta da redação e aplicar conceito das várias áreas de conhecimento para desenvolver o tema, dentro dos limites estruturais do texto dissertativo-argumentativo. 1,5
Selecionar, relacionar, organizar e interpretar informações, fatos, opiniões e argumentos em defesa de um ponto de vista. 1,5
Demonstrar conhecimento dos mecanismos linguísticos necessários para a construção da argumentação. 1,5
Elaborar a proposta de solução para o problema abordado, mostrando respeito aos valores humanos e considerando a diversidade sociocultural. 1,5
Nota final 7,5
Saiba como é feito a classificação das notas
2,0 - Satisfatório 1,5 - Bom 1,0 - Regular 0,5 - Fraco 0,0 - Insatisfatório

Os textos publicados antes de 1º de janeiro de 2009 não seguem o novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa. A grafia vigente até então e a da reforma ortográfica serão aceitas até 2012

Copyright UOL. Todos os direitos reservados. É permitida a reprodução apenas em trabalhos escolares, sem fins comerciais e desde que com o devido crédito ao UOL e aos autores.

UOL Cursos Online

Todos os cursos