Violência só gera violência

NOTA 4,0

"A justiça é a vingança do homem em sociedade, como a vingança é a justiça do homem em estado selvagem". A frase dita por Epicuro, filósofo grego do período helenístico, reflete de modo convincente a situação onde em que se encontra o nosso país país, que, na por carência de justiça, acaba se apegando à vingança contra os infratores da lei.

Não é em vão que o Brasil esteja dividido quanto à ideologia do "bandido bom é bandido morto", termo usado quando os criminosos levam a pior em seus atos, pois acabam saciando a "sede de justiça" dos cidadãos que acabam temerosos ao andarem nas ruas por falta de segurança; tal sede que acaba sendo representada nas atitudes dos policiais, a partir do momento em que se tem o infrator em mãos. Não são poucos os casos ondeem que caem nas redes sociais, torturas sociais torturas e humilhações por parte das autoridades, causando até euforias euforia das pessoas, fato bastante preocupante.

Recentemente, um policial morreu no Rio de Janeiro em confronto com os bandidos, fato comum se o próprio não fosse também conhecido pelo seu trabalho de dublador. O que talvez possa ter chamado atenção fora foi um conteúdo compartilhado pelo próprio em seu perfil de uma rede social onde social, em que dois policiais gravaram um vídeo humilhando dois infratores, sendo um deles menor de idade, alcançando opiniões adversas entre seus seguidores. Talvez não tenha influenciado, mas a propagação do ódio só causa ampliação do mesmo.

Essencial É essencial que os cidadãos não ajam apenas por emoção, pois é comum - principalmente quando se é a vítima – desejar uma violência talvez não proporcional para com o ato de seu agressor, mas por mais falha que sejam as leis no Brasil, o importante é não ferir os direitos humanos, pois como disse Don Ramón, importante personagem criado por Chespirito, "a vingança nunca é plena, mata a alma e a envenena".

Comentário geral

Texto muito irregular, que começa citando o filósofo Epicuro e termina citando o seu Madruga (Don Ramón), do seriado humorístico de Roberto Bolaños. Assim como as citações vêm de níveis muito diferentes do pensamento ou da cultura da humanidade, do mesmo modo o autor da redação ora escreve com clareza, ora de modo confuso e obscuro. O pior é que a obscuridade e a confusão destroem o cerne da dissertação, isto é, a argumentação, impedindo que o texto ganhe melhor avaliação.

Aspectos pontuais

1) Primeiro parágrafo: a introdução do texto merece destaque pela citação oportuna e pertinente da frase de Epicuro, que leva o leitor a supor que o autor vai demonstrar como essa sentença se aplica ao Brasil de hoje. É pena que o autor, a seguir, se perca em divagações confusas e, por isso mesmo, não desenvolva uma argumentação pertinente.

2) Segundo parágrafo: o autor simplesmente divaga, de modo confuso e obscuro, num período composto enorme, em que ele perde de vista quem é o sujeito dos verbos que emprega, e diz coisas sem sentido. "Bandido bom é bandido morto" não é um termo, mas uma expressão. Além disso, ela não se refere ao fato de bandidos levarem a pior, mas ao sentimento de que só a morte dos criminosos vai resolver o problema da violência no Brasil. Vale notar também a repetição do verbo acabar no mesmo período.

3) Terceiro parágrafo: o autor não dá conta de explicar claramente o que ele quer dizer. Se não conhecer os fatos a que o texto se refere, o leitor não entende o que é dito e o ideal de uma redação é que ela seja autoexplicativa.

4) Quarto parágrafo: a) aparentemente, não há razão nenhuma para esse talvez aí. O que o autor advoga é que as vítimas, em geral, querem que os criminosos sejam duramente punidos, o que pode ser desproporcional em relação ao delito cometido. b) Colocar no mesmo patamar Epicuro e o seu Madruga quase transforma a conclusão num disparate, de tal maneira é gritante o contraste em os dois personagens citados. c) O personagem não foi criado por Chespirito, mas pelo humorista Roberto Bolaños.

Competências avaliadas

Itens Nota
Demonstrar domínio da norma culta da língua escrita. 1,0
Compreender a proposta da redação e aplicar conceito das várias áreas de conhecimento para desenvolver o tema, dentro dos limites estruturais do texto dissertativo-argumentativo. 1,0
Selecionar, relacionar, organizar e interpretar informações, fatos, opiniões e argumentos em defesa de um ponto de vista. 0,5
Demonstrar conhecimento dos mecanismos linguísticos necessários para a construção da argumentação. 0,5
Elaborar a proposta de solução para o problema abordado, mostrando respeito aos valores humanos e considerando a diversidade sociocultural. 1,0
Nota final 4,0
Saiba como é feito a classificação das notas
2,0 - Satisfatório 1,5 - Bom 1,0 - Regular 0,5 - Fraco 0,0 - Insatisfatório

Os textos publicados antes de 1º de janeiro de 2009 não seguem o novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa. A grafia vigente até então e a da reforma ortográfica serão aceitas até 2012

Copyright UOL. Todos os direitos reservados. É permitida a reprodução apenas em trabalhos escolares, sem fins comerciais e desde que com o devido crédito ao UOL e aos autores.

UOL Cursos Online

Todos os cursos